sexta-feira, 17 de julho de 2009

Sugestões Quinta Essência para o Verão

Com o mote Prepare o seu Verão na companhia da Quinta Essência a editora sugere como novidades o livro Romance na Toscana e Laços de Família. Em destaque estão os livros O Quarto Mágico e O Último Beijo e a ferver O Fruto da Paixão

O Berbicacho apresentado dia 28 no Teatro da Comuna

A Editora Lua Mágica e a Comuna - Teatro de Pesquisa vão proceder à sessão de lançamento de
«O Berbicacho», que terá lugar no Teatro da Comuna (Praça de Espanha), no dia 28 de Julho, das 16H30 às 18H30.
A sessão iniciar-se-á com uma visita às instalações da Comuna, especialmente dedicada às crianças,
conduzida pelo actor Miguel Sermão e sessões de histórias, contadas por Sílvia Costa e Álvaro Faria,
seguindo-se a apresentação do livro, a cargo da escritora Alice Vieira.
«O Berbicacho» é o volume inicial da colecção «As Histórias do Coelhinho Bolinha», com texto de Álvaro Faria e ilustrações de Inês Ramos e Álvaro Santos.

Primeiro livro de Pedro Bessa... O Burro Eleutério e o Lobo Selvagem

O meu amigo e colega Pedro Bessa publicou muito recentemente o seu primeiro livro intitulado O Burro Eleutério e o Lobo Selvagem.
É um livro destinado ao público mais jovem e conta a história de um velho burro, farto das canseiras dos trabalhos forçados, que em tempos sonhou ser livre para viver nas montanhas e correr o mundo. Baseada em acontecimentos verídicos, passados numa terra longínqua, esta história conta-nos o encontro do velho burro com um lobo selvagem a quem deverá servir de alimento. Um dia, a loucura dos homens ameaça a habitual rotina, provocando grande alvoroço pelo receio de uma tragédia. Mas, nada do que seria previsível acontece...

O livro é acompanhado por um CD áudio, que inclui a narração integral do texto e, ainda, seis músicas da autoria de Cláudia Rocha, cantadas pelas "vozes" dos animais da quinta... A história baseia-se em acontecimentos verídicos, passados numa aldeia da Albânia, a 40 Km de Tirana. Os acontecimentos ali ocorridos suscitaram a curiosidade das localidades vizinhas e da Imprensa, originando uma campanha mundial (através da internet e envolvendo associações amigas dos animais) para a libertação do lobo e do burro. Os dois animais acabaram por ser libertados por ordem governamental.

Sobre o autor

Pedro Bessa nasceu na cidade do Porto, em 1969, tendo dedicado metade da sua vida ao jornalismo. Começou, com apenas 18 anos, na Rádio Comercial, passando por algumas das principais redacções do País, entre as quais as da Agência Lusa e dos jornais O Primeiro de Janeiro e O Comércio do Porto. Foi, ainda, colaborador da RTP e Correio da Manhã. Actualmente, exerce actividade na área da assessoria de comunicação. O Burro Eleutério e o Lobo Selvagem assinala a estreia na escrita literária.

Sobre as ilustrações

Cláudia Rocha nasceu em Vagos, em 1972. Formada em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto, possui também o curso de Piano do Conservatório de Música do Porto. É professora do ensino secundário. Do seu currículo de ilustradora consta a publicação de dois livros infantis incluídos no Plano Nacional de Leitura. Em ambas as obras assumiu a autoria das músicas e a produção dos CD áudio. Além desta actividade desenvolve trabalhos no âmbito da pintura, escultura e museologia.

Editora: Editora Educação Nacional
Colecção: Estrela de Papel
Data de publicação: 2009
Preço: 14,40€

Resultados do passatempo "Dormir Nu é Ecológico"

Obrigada a todos que participaram no passatempo "Dormir Nu é Ecológico" realizado entre o Marcador de Livros e a Editorial Presença, num total de 59 participações.
As frases merecedoras do prémio são:

Carla Ribeiro (S. Martinho de Mouros)
Apagando, por um momento, o fumo negro da minha própria emissão, podia deixar para trás os pequenos comodismos e, juntando ao esforço a vontade e o sonho da liberdade, fechar a porta da garagem e cumprir, montada nas minhas próprias pernas e nada mais, a minha rotina diária.

Liliana Isabel Jorge (Coimbra)
Para reduzir a pegada ecológica
Muitas loucuras era capaz de cometer
Trocava a casa pela cabana
A alcatifa pelo chão
A roupa pela parra como Adão
A electricidade pelo sol
E o pijama pelo lençol.

Sérgio Paulino (Porto)
Fazer uma excursão pela margem do Rio Sabor durante 4 dias, com um grupo de 13 pessoas, onde só conhecemos uma, na perspectiva de recolher imagens de modo a sensibilizar a quem de respeito de modo a não construírem barragens no mesmo, fazendo com que parte da vida existente neste morra.
Fazê-lo, sem grandes condições. Sem carros, aviões, barcos ou outros.
Apenas, mochila às costas com comida e muda de roupa, máquina de fotografar e filmar, e umas botas no pé.
De resto o espírito encarrega-se disso.

A Aventura total.
A ecologia está naquele que pensa mais longe!
Diga-se que mesmo no fim do nada, íamos encontrando "marcas" deixadas pelo Homem, e conforme a possibilidade íamos tentando reduzir essa mesma "marca".

Parabéns a todos os vencedores! Os mesmos serão avisados por email.

Novidade Caderno: O Colar de Cheryl Jarvis

Título: O Colar
Autor:
Cheryl Jarvis
Editor: Caderno
Ano de Edição: 2009
N.º Páginas: 224

Sinopse: Uma história real que apaixonou a América Jonell apaixonou-se por um colar de diamantes. Mas o preço era demasiado alto. Até que teve uma ideia que iria mudar a sua vida. E porque não comprá-lo com a ajuda de amigas? Porque não partilhá-lo? Foi o início da aventura, de uma história real que apaixonou a América. Treze mulheres, das mais diferentes idades e profissões, uniram-se em torno de uma jóia. Desde então vivem em contacto umas com as outras, saem juntas, ajudam-se. E de 28 em 28 dias, no mês do aniversário de cada uma delas, encontram-se. Passam O Colar, conversam, partilham receitas, histórias de vida, amores e traições. Têm uma nova razão para sair de casa, têm um novo grupo de amigas. E descobriram que a amizade e a partilha valem muito mais do que qualquer diamante.

Sobre o autor
Jornalista e ensaista, Cheryl Jarvis foi editora de vários jornais e revistas norte-americanos, e durante anos trabalhou como produtora de programas televisivos. Tem publicado artigos em diferentes meios, como Wall Street Journal, Chicago Tribune, Cosmopolitane Reader's Digest, e dá cursos de escrita criativa em várias universidades. É autora do livro The Marriage Sabbatical: the Journey that Brings You Home.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Porto Editora lança o desafio... Aprender com os heróis

Porque o período de férias deve ser um elemento estruturante da formação dos jovens alunos, este Verão, a Porto Editora convida-os a passar férias com os seus heróis de banda desenhada. As Tartarugas Ninja e a Hello Kitty são as personagens escolhidas para ajudar na preparação do novo ano lectivo.

Título: Tartarugas Ninja Preparam-te para o 1º; 2º; 3º; 4º e 5º Ano
Nº Páginas: 32; 48; 48; 48 e 48 (respectivamente)
P.V.P.: 6,90€ (cada)
Preço WOOK.pt: 6,21€ (cada)





Título: Hello Kitty Prepara-te para o 1º; 2º; 3º; 4º e 5º Ano
Nº Páginas: 32; 48; 48; 48 e 48 (respectivamente)
P.V.P.: 6,90€ (cada)
Preço WOOK.pt: 6,21€ (cada)





Aprender com os heróis Directamente da animação, a Porto Editora resgatou excelentes companhias para as férias dos mais novos. Porque o período de férias deve ser um elemento estruturante da formação dos jovens alunos, este Verão, a Porto Editora convida-os a passar férias com os seus heróis de banda desenhada. As Tartarugas Ninja e a Hello Kitty são as personagens escolhidas para ajudar na preparação do novo ano lectivo. Com conteúdos adaptados do 1.º ao 5.º ano de escolaridade, a colecção Prepara-te Durante as Férias desafia os mais novos a manter a forma com a ajuda de um livro repleto de actividades, onde podem vestir a pele dos seus personagens favoritos ao mesmo tempo que consolidam o que aprenderam no ano lectivo anterior e se preparam para o seguinte. Todas as actividades presentes nos dez livros que compõem a colecção estão de acordo com as competências enunciadas no Currículo Nacional do Ensino Básico e articulam as diferentes áreas do saber de forma motivadora. Hello Kity Prepara-te Durante as Férias e Tartarugas Ninja Preparam-te Durante as Férias, destinam-se a crianças dos cinco aos dez anos e, propositadamente ajustadas ao período de férias, constituem a componente didáctica dos divertidos meses de Verão.

O Sangue da Honra - Francisco Moita Flores [Opinião]

-->
Título: O Sangue da Honra
Autor: Francisco Moita Flores
Género: Romance
Ano: 2009
Editora: Sextante
Páginas: 192
PVP: € 13,95

Sinopse: Uma história de cinema a máfia. Frank Capra, um dos grandes mitos de Hollywood, começou por se chamar Francesco e nasceu na Sicília, em Bisacquino, um lugar perdido nas montanhas que também viu nascer D. Vito Cascio-Ferro, um dos fundadores da Máfia siciliana e o mandante do assassinato de Joe Petrosino, famoso polícia de Nova Iorque, nascido em Nápoles.

Três homens que se cruzam aqui numa história extraordinária, das que forjaram o nosso tempo na viragem para o século xx. Cinema, Máfia e ópera são o pano de fundo deste novo Era uma vez na América.

A minha opinião
Bisacquino, localidade italiana, é palco do nascimento de um oscarizado realizador e de um conhecido mafioso. A vida deles cruza-se constantemente, primeiro com Vito Cascio-Ferro a aliciar o pai de Francesco a trabalhar para ele, e mais tarde, quando um dos seus mafiosos aborda Capra para construir alambiques, quando a família Capra já se encontra na América.
Francesco Rosario Capra, mais conhecido como Frank Capra nasceu em Bisacquino, a 18 de Maio de 1897 era filho de um camponês plantador de limões e laranjas, Salvatore Capra, e tinha cinco irmãos, somando ao todo três irmãos e três irmãs. Eram pobres e trabalhavam para comer. Quase todos os rapazes eram pastores. Por isso mesmo, praticamente todos os italianos pobres de Bisacquinho sonhavam com a América. Em 1898, o irmão mais velho, Ben, decide aos 16 anos, sozinho, apanhar um vapor rumo à Terra Prometida, sem aviso. Quando todos pensavam que Ben estava morto, receberam uma carta vinda de Los Angeles dizendo que Ben estava bem e que não iria voltar para Itália. O curioso é que toda a família Capra era analfabeta e não sabiam o que a carta continha. Para tal, e como muita gente fazia nessa época, recorreram ao padre local para este lhes ler as notícias. Com a missiva vinha também a possibilidade de toda a família Capra embarcar para os Estados Unidos. Assim, em Abril de 1903, os pais e quatro dos irmãos de Ben chegavam em Los Angeles, entre eles Frank. Frank sempre foi um miúdo lutador e que tinha vontade de saber mais. No barco onde rumaram para os EUA ficou fascinado com a pequena sessão de cinema, que era projectada para os passageiros e nunca mais esqueceu essa maravilha. Mais velho e contra a vontade dos pais, prosseguiu estudos até formar-se em engenharia química, em 1918. No entanto, a entrada em Guerra fez com que não conseguisse emprego e passasse sérias dificuldades económicas, chegando mesmo a passar fome. Numa dessas alturas foi abordado por um agente da máfia que o aliciou a trabalhar para eles, construindo alambiques. Recorde-se que nessa altura os EUA atravessavam a Lei Seca e era proibido comercializar álcool. Frank resistiu a tão tentadora proposta até que encontrou um estúdio cinematográfico, onde passou a realizar filmes, sendo o seu primeiro Fultah Fisher’s Boarding House, em 1922. Daí partiu para Hollywood, onde passou a realizar mais filmes, e mais conhecidos.
Vito Cascio-Ferro é uma das principais pontes entre a Cosa Nostra e a organização mafiosa que se organiza em Nova Iorque e outras cidades da Costa Leste, principalmente Boston, Filadélfia e Chicago. Acabou por morrer em Itália, quando se encontrava na prisão.

Para muitos italianos, a América não se transformou na Terra Prometida, continuando a passar sérias dificuldades económicas. A pobreza e as saudades de casa transformaram muitas dessas pessoas, que viviam amarguradas e se refugiavam no álcool.
Através da investigação de António de Sousa Duarte, Francisco Moita Flores construiu uma história surpreendente de um italiano que surpreendeu a América, numa altura da grande depressão. Um livro a reter


Excerto
“A família Capra tinha fome e não tinha. E quando se deitavam com o estômago sossegado passara-se um dia feliz.”
“Quando as sirenes roncaram anunciando a partida tinha duas certezas. Nunca mais voltaria à Sicília e jamais tornaria a comer lentilhas”
“Receio que sejam mais poderosos que nós. A Máfia é coisa ruim. Faz extorsão, contrabando, rouba, mata, corrompe, domina negócios e território, são um Estado dentro do próprio Estado.”

“O medo é um doce milagre. Uma espécie de jogo que dá sentido aos combates pela vida. Cada milímetro que lhe roubamos, cada metro que o afastamos são passos na construção do nosso destino. O destino não se cumpre, constrói-se.”
“Basta vencer o medo e acreditar que a vida é um tempo único que merece ser vivido segundo, hora a hora, como se fosse o último compasso, a última nota de uma sinfonia.”


Novidade Quinta Essência: Romance na Toscana de Elizabeth Adler

Título: Romance na Toscana
Autor: Elizabeth Adler
N.º de Páginas: 336 páginas
PVP: 15 euros

Após Casamento em Veneza, a Quinta Essência publica agora o novo romance de Elizabeth Adler, Romance na Toscana.

Sinopse
: Gemma é a donzela de gelo, incapaz de amar um homem…
Conseguirá Ben Raphael derreter o gelo e conquistar o seu coração empedernido sob o calor da Toscana?
Gemma Jericho é uma médica nova-iorquina, a braços com uma filha adolescente que não lhe dá um minuto de descanso e uma mãe que se preocupa com o facto de ela não ter vida própria. Por isso, quando a mãe, Nonna, recebe uma carta informando-a de que recebeu uma misteriosa herança na Toscana, Gemma, a donzela de gelo, arrisca: as três deixam para trás as precauções e partem para Itália em busca de um sonho e de uma nova vida.
Mas o que as três encontram no paraíso da Toscana não é exactamente o que haviam sonhado. Afinal, a herança de Nonna, uma bela villa a necessitar de obras, pode pertencer a um americano, Ben Raphael. Entre Gemma e Ben surge de imediato uma forte atracção, mas a relação amorosa é abalada pela intensa disputa imobiliária.
Será o amor de ambos suficientemente forte para resistir a todas as provações? Ou prevalecerá a força dos laços que ligam Gemma, Nonna e Livvie? Gemma terá de escolher entre o homem que ama e a herança da família. E a sua vida nunca mais será a mesma…
Romance na Toscana é uma história de amor arrebatadora, marcada pela beleza daquela região italiana, onde, afinal, todos os sonhos são possíveis.

Imprensa
«Profundamente romântico e envolvente… um livro a não perder.» Romantic Times
«Personagens inesquecíveis num ambiente de sonho. Uma história absolutamente fantástica sobre o amor e os laços de família tendo como pano de fundo a beleza de Itália.» Booklist
«Vivamente recomendado.» Library Journal
«Impossível parar de ler até se chegar à última página.» The Literary Times
«A não perder.» Rendezvous

Sobre a autora:
Elizabeth Adler é britânica. Autora de mais de vinte romances, é reconhecida internacionalmente pelas suas histórias envolventes que combinam de forma magistral mistério, amor e destinos de sonho. Os seus livros estão publicados em vinte e cinco países, com mais de quatro milhões de exemplares vendidos em todo o mundo.

A autora adora viajar e visita com frequência a Toscana, um dos seus destinos de eleição. Embora a localidade de Bella Piacere seja ficcional, muitos dos restaurantes, lojas e hotéis mencionados em Romance na Toscana, o seu segundo livro a ser publicado em Portugal, são reais. Adler e o marido viveram em vários países até que fixaram residência em La Quinta, Califórnia, onde passam dias tranquilos na companhia dos seus dois gatos.

Lançamentos da Bertrand para 17 de Julho

Título: O dom
Autor: Alison Croggon
Chancela: Bertrand Editora
N.º de Páginas: 192
P.V.P.: 16,95 €

Alison Croggon, escritora australiana, é poetisa. A confirmá-lo está o estilo de escrita, os versos utilizados como baladas e as profecias deste "O dom", o primeiro livro da série Pellinor que, de resto, marca a estreia da escritora em Portugal.


Sinopse: O primeiro livro de Alison Croggon publicado em Portugal, intitulado "O dom", conta a história de uma criança que perde os pais na guerra de Pellinor. Maerad, a criança, vem a descobrir que tem um maravilho dom, mas não sabe o que fazer com ele. Só quando é descoberta por Cadvan, um dos grandes bardos de lirigion, a verdade da sua herança é revelada e Maerad saberá que tem de sobreviver às forças das trevas.

Sobre este livro escreveu a Bookseller que é «…uma história mágica que nos lembra Tolkien. É uma aventura cheia de paixão, personagens cativantes e cenários de enorme beleza. O Dom é uma história poderosa e marca o início de uma magnífica saga fantástica.»
Livro I das Crónicas de Pellinor foi finalista do Aurealis Award.

Sobre Alison Croggon:
Nasceu em 1964, no Transvaal, África do Sul. Poetisa, dramaturga, escritora de Fantasia e de libretos para ópera, trabalhou como jornalista para o Sydney Morning Herald. Tem ganho diversos prémios com a sua obra poética, além de ser finalista de dois Aurealis Awards.

Opiniões:
"Rico e apaixonante. Uma leitura incrível."
Kirkus
"Uma narrativa de beleza e terror, escrita de modo brilhante."
The Bulletin, Austrália
"A fantasia no seu melhor!"
Herald Sun, Australia

Título: Um gladiador só morre uma vez
Autor: Steven Saylor
Chancela: Bertrand Editora
N.º páginas: 264
P.V.P.: 16,95 €

Sinopse: "Um gladiador só morre uma vez" é o título do décimo segundo volume da série Roma sub-rosa da autoria do escritor americano Steven Saylor.
É o regresso do romancista, repetidamente elogiado pela crítica, ao registo que o tornou conhecido: a novela histórica.
Em "Um gladiador só morre uma vez" o autor conduz o leitor às últimas décadas da República Romana, onde o detective Gordiano aconselha cônsules e senadores, desvenda intrigas políticas, resolve crimes e desmascara complicados esquemas financeiros, num contexto histórico riquíssimo, que inclui um rapto e homicídio durante a revolta de Sertório e a história subjacente à descoberta do túmulo de Arquimedes por Cícero.
Estas novas aventuras de Gordiano correspondem assim à fase inicial da brilhante carreira do detective em plena Roma antiga, num momento em que a mulher, Bethesda, era ainda sua escrava, e o filho, Eco, um rapazinho mudo.
Reconstruir com rigor e realismo o quotidiano fervilhante e perverso da cidade de Roma é algo que Steven Saylor consegue mais uma vez fazer com enorme talento e mestria, oferecendo ao leitor pequenos quadros da vida diária da capital de um império que trilhou o caminho civilizacional que ainda hoje percorremos.

Sobre Steven Saylor:
Steven Saylor é o autor da série Roma sub-rosa, situada na Roma antiga, série que tem merecido os elogios da crítica. Os romances de Saylor têm sido publicados em todo o mundo, estando traduzidos em 18 línguas, e o autor tem figurado, na sua qualidade de especialista na política e na vida romana em geral, em documentários do canal História. Saylor divide o seu tempo entre Berkeley, na Califórnia, e Austin, no Texas. Tem uma página web, que pode ser consultada em http://www.stevensaylor.com/.

Opiniões:
"Se quer visitar Roma – a Roma antiga – esta é a melhor maneira."
Oklahoman
"Uma espécie de Sherlock Holmes romano."
Wall Street Journal

terça-feira, 14 de julho de 2009

O Labirinto da Rosa - Titania Hardie [Opinião]

-->
Título: O Labirinto da Rosa
Autor:Titania Hardie
Título Original: The Rose Labyrinth
Tradução: Manuela Madureira
Páginas: 436
Colecção: Grandes Narrativas
N.º 438
Preço: 20,00€
Data de Publicação: 14 de Julho 2009

Labirinto literário na época Tudor traduzido em 19 de Países Direitos adquiridos por 19 países: Brasil; Alemanha; França; Holanda; EUA; Itália; Grécia; Reino Unido; Grécia; Polónia; Roménia; Rússia; Sérvia; República Checa; Eslovénia; Espanha; China; Tailândia e Taiwan.
O Labirinto da Rosa, primeiro romance da autora de origem australiana, inscreve-se numa corrente de obras ficcionais muito apreciadas em Portugal como no mundo. Falamos de O Código Da Vinci, de Dan Brown ou A Regra de Quatro, da dupla Ian Caldwell e Dustin Thomas. A abordagem esotérica do conhecimento absoluto nas mais diversas vertentes – egípcia, hebraica, templária e renascentista – são uma constante ao longo dos tempos tendo como objectivo último a união com o divino. Em O Labirinto da Rosa essa mesma ideia está presente ao recuarmos à Inglaterra dos Tudor, onde John Dee, matemático, astrónomo e conselheiro da rainha Isabel I, deixou escritos uma série de documentos no segredo dos deuses, por entender que a humanidade não estava ainda preparada para os acolher. Quatro séculos mais tarde, a acção desenrolada entre França, Inglaterra e os Estados Unidos, leva-nos ao encontro de Will a quem foi passado o testemunho do conselheiro, uma antiga folha de pergaminho com enigmas e uma chave de prata. Uma obra com referências da actualidade que combina passado com presente. Titania Hardie nasceu em Sidney, na Austrália. É autora de várias obras de grande sucesso sobre folclore, magia e artes divinatórias, bem como de literatura infantil, e é uma séria estudiosa do esoterismo. Recebeu diplomas de honra em Psicologia e Literatura Inglesa e é mestre em Poesia Romântica Inglesa.

A minha opinião
Titania Hardie transporta-nos para os mistérios da época de Isabel I e, sobretudo, para o misterioso Dr. John Dee, o primeiro 007 a existir. Devo confessar que este livro me apaixonou logo desde o início não só pela forma como está escrito, mas porque reúne várias coisas que gosto ao ler um livro: romance, mistério e história. Um segredo bem guardado, que vai passando de geração para geração desde o tempo da rainha Isabel I, leva a que Will, um dos descendente de Dee e guardador dos mistérios da sua vida, seja assassinado no século XXI. Will guardava consigo uma chave (que poderia revelar um mistério de décadas) e o seu assassino desejava tê-la para si. Mas apesar da morte de Will, o assassino não consegue resgatar a chave, que fica ao cuidado do seu irmão Alex e da namorada deste Lucy que tenta desvendar o passado do Dr. Dee, e os segredos que ele guarda. As pessoas que estavam interessadas no antepassado de Alex, são teólogos fundamentalistas, pessoas para quem a autoridade religiosa é absoluta e não admite críticas. Esperam que determinadas exigências e prescrições tiradas das escrituras sejam não só publicamente reconhecidas, mas também impostas por lei. A sua obsessão é lutar contra o desgaste da religião e do papel que esta desempenha na nossa sociedade, mas à sua maneira. A sinopse compara-o aos livros de Dan Brown, mas acho que este é bastante melhor do que a escrita, mais sensacionalista a que Brown nos habituou. Fiquei fascinada pelo John Dee, personagem histórica que não conhecia, mas também pelo facto de uma das personagens principais, Lucy, se ter aproximado da família descendente a Dee, e ao mesmo tempo se mostrar tão próxima da história deles. Uma das partes que mais me intrigou foi o facto de Lucy ter recebido um transplante de coração e começar a conhecer cada vez melhor os passos do seu dador. Será que isso acontece na realidade? Nunca ouvi falar disso, mas a medicina não consegue dar resposta a todas a nossas dúvidas. Em suma, um livro a reter, sobretudo para os amantes deste género de romance histórico. Como me interessei tanto pela personagem de John Dee, além do que li no livro, fiz uma pequena pesquisa pela wikipedia. Pode-se dizer que foi a primeira pessoa a usar a expressão “Império Britânico” e a ajudar os navios da rainha a descobri-lo, utilizando os seus mapas. Possuía uma vasta biblioteca, uma das maiores da Europa. A sua colecção continha mais de 3000 volumes e manuscritos, enquanto a Universidade de Cambridge tinha cerca de 300. Por assim dizer, John Dee foi o primeiro James Bond da História. Fez parte do grupo de espiões de elite de Walsingham, que incluíra Sir Philip Sidney, genro de Dee, o símbolo e de quem este foi tutor. «007» era o código pessoal de Dee, o símbolo de que era os «olhos»da rainha, aliados ao poder espiritual do número 7, que era o número sagrado . John Dee nasceu a 13 de Julho de 1527 em Londres e morreu em 1608 ou 1609. Foi um matemático, astrónomo, astrólogo, geógrafo e conselheiro particular da rainha Isabel I. Foi um dos homens mais instruídos do seu tempo, e antes de fazer 30 anos já leccionava na Universidade de Paris. Era um divulgador entusiasmado da matemática, um astrónomo respeitado e um perito em navegação, treinando muitos daqueles que conduziriam as viagens exploratórias da Inglaterra. Ao mesmo tempo, estava profundamente imerso na filosofia hermética e na chamada magia angélica e devotou a última terça parte de sua vida quase que exclusivamente a este tipo de estudo. Quando a rainha Isabel I assumiu o trono em 1558, Dee tornou-se seu conselheiro para questões astrológicas e científicas, e foi inclusive ele a escolher o dia da cerimónia da coroação. Da década de 1550 à de 1570, serviu como um conselheiro às viagens de descoberta da Inglaterra, fornecendo auxílio técnico na navegação e o no apoio ideológico à criação de um Império Britânico. Em 1577, publicou os Memórias Gerais e Raras no que Concerne a Perfeita Arte da Navegação, um trabalho que disseminou sua visão para um império marítimo e reafirmava as reivindicações territoriais inglesas no Novo Mundo. O Museu Britânico mantém diversos artigos que pertenceram a John Dee, a maioria associados às conferências espirituais. Excerto “A única coisa que me aterroriza é depender de outra pessoa para ser feliz ou de me abandonar à paixão”


Pode ainda ver o booktrailer aqui

Resultado do passatempo "Baunilha e Chocolate"

Obrigada a todos que participaram no passatempo "Baunilha e Chocolate" realizado entre o Marcador de Livros e a Porto Editora, num total de 186
As respostas às perguntas colocadas são:

1 - Qual a nacionalidade da autora? Italiana
2 - Quantos livros de Sveva Casati
Modignani foram editados pela Porto Editora? 2
3 - Penelope e Andrea estão casados há 18 anos. Quantos filhos tem o casal? 3
4 - Após deixar Andrea para onde se dirige Penélope? Para
Cesenatico para casa da sua avó (foram aceites as duas possibilidades ou ambas)

A feliz contempladaé:
84 -Maria José Cebo (Amora)

Além de o seu nome figurar no blogue, a contemplada foi ainda avisada através de email.

Novidades da Presença para a 2.ª quinzena de Julho

Título: O labirinto da Rosa
Autor: Titania Hardie
P.V.P.: 20,00 €
Data 1.ª Edição: 14/07/2009

N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 436
Colecção: Grandes N
arrativas
N.º na Colecção: 438
Sinopse: O Labirinto da Rosa é um romance de estreia de uma riqueza surpreendente que tem no centro da sua trama uma herança enigmática que remonta à época Tudor. John Dee, matemático, astrónomo e conselheiro da rainha Isabel I, deixou escondida uma série de documentos seus por considerar que a humanidade não se encontrava preparada para compreender o que neles estava escrito. As sucessivas gerações de descendentes souberam guardar o segredo da sua localização à espera do momento certo para revelar tais conhecimentos ao mundo. Agora esse momento parece ter finalmente chegado! Um romance soberbo, um verdadeiro labirinto literário, com traços do romance histórico, do romance de aventura e do thriller, e referências vastíssimas que vão dos conhecimentos esotéricos egípcios, templários e renascentistas à história do Islão, ao Cristianismo, ao paganismo ou à astrologia.

Título: Dormir nu é ecológico
Autor: Vanessa Farquharson
P.V.P.: 16,50 €

Data 1.ª Edição: 14/07/2009
N.º de Edição: 1.ª

N.º de Páginas: 280
Colecção: Sociedade Global
N.º na Colecção: 35

Sinopse: Até onde estamos verdadeiramente dispostos a ir para tornarmos o nosso mundo mais verde? Foi este o desafio que Vanessa Farquharson, uma jornalista canadense, colocou a si mesma, propondo-se alterar radicalmente o seu estilo de vida ao longo de um ano, estipulando a cada novo dia um novo objectivo ecológico a cumprir. Desde escolha
s simples como passar a dormir nua a decisões extremas como abdicar do uso do carro ou desligar o frigorífico, a autora tenta descobrir o que é exequível e o que não é, suscitando reflexões sobre o que realmente significa ter uma atitude ecológica. Uma obra que nos dá uma perspectiva franca e muito bem-humorada do que acontece quando o cidadão comum se entrega de alma e coração ao movimento ecológico.

Título: Sede de Viver
Autor:
J.R. Moehringer

P.V.P.: 19,50 €
Data 1ª. Edição: 14/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 488
Colecção: Vidas d´Escritas

N.º na Colecção: 2
Sinopse: Um belíssimo livro de memórias, que é também um retrato vivo de uma América no rescaldo da guerra do Vietname. A figura nuclear deste romance autobiográfico é um bar em Long Island, onde o jovem J. R. encontrou um sucedâneo da figura do pai ausente. Durante a sua infância e adolescência, o autor testemunha a interacção diária de todo o tipo de homens - soldados, jogadores, polícias, advogados, vagabundos - que falam de tudo, desde basquetebol, história ou livros, até sexo e relacionamentos. E embora as conversas se inflamem com o álcool, é lá que Moehringer aprende sobre a vida e encontra modelos para formar a sua própria masculinidade, assim como um extraordinário sentido de amor e comunidade. É lá que voltará depois, já adulto, para se retemperar das duras batalhas da vida.

Título: Paralelo 42
Autor:
John dos Passos

P.V.P.: 20,00 €
Data 1.ª Edição: 14/07/2009
N.º de Edição: 1.ª

N.º de Páginas: 416
Colecção: Obras Literárias Escolhidas

N.º na Colecção: 7
Sinopse: Paralelo 42 é o primeiro volume da trilogia U.S.A., que celebrizou John Dos Passos como um dos maiores escritores norte-americanos do século XX ao fazer um esboço grandioso e caleidoscópico de uma nação em vias de se tornar uma superpotência. Tal como o paralelo que lhe dá título, este livro atravessa o coração dos Estados Unidos, ao seguir as vidas de cinco personagens nos anos que antecederam a Primeira Guerra Mundial.

Título: A sombra do medo
Autor:
R. Ellory

P.V.P.: 19,50 €
Data 1.ª Edição: 14/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 408
Colecção: Minutos Contados
N.º na Colecção: 24
Sinopse: Em Augusta Falls, uma pequena comunidade rural no Sul dos Estados Unidos, a vida nunca mais será a mesma. Um assassino em série anda a semear o terror enquanto deixa atrás de si os corpos mutilados de raparigas pré-adolescentes. Joseph Vaughan, de apenas doze anos, não consegue evitar sentir-se profundamente impressionado com os acontecimentos. Por isso decide criar um grupo com o objectivo de descobrir o responsável pelos crimes. Mas o tempo vai passando, e um dia as mortes param subitamente. Só Joseph continuará a ser perseguido ao longo dos anos pela sombra do que se passou, até ser obrigado a confrontar-se com o pesadelo que lhe roubou a vida.


Título: Até que ele nos separe
Autor:
Emily Giffin

P.V.P.: 18,00 €
Data 1.ª Edição: 14/07/2009
N.º de Edição: 1.ª
N.º de Páginas: 344
Colecção: Champanhe e Morangos
N.º na Colecção: 38
Sinopse: Rachel White sempre foi o protótipo da «menina certinha», que fazia o que se esperava dela e se sacrificava em prol dos outros. Só que, na manhã após a f
esta do seu aniversário, Rachel acorda ao lado do noivo da sua melhor amiga. O mais correcto seria esquecer o que aconteceu e seguir em frente, mas, à medida que a data do casamento se aproxima, Rachel descobre que as coisas não são assim tão simples, e em breve terá de escolher entre abrir mão da felicidade ou da sua amizade mais antiga. Um romance que lança um olhar pleno de lucidez e de sensibilidade sobre as nuances que existem no amor, na amizade e na traição.

Título: O pequeno livro das boas maneiras
Autor: Christine Coirault
P.V.P.: 7,00 €

Data 1.ª Edição: 14/07/2009
N.º de Edição:

N.º de Páginas: 40
Colecção: Diversos
N.º na Colecção: 75
Sinopse: Queres falar? Precisas de bocejar num sítio público? Estragaste o brinquedo de alguém? O que fazer? Por muito complicada que seja a situação, estas personagens bem-comportadas mostrar-te-ão o que fazer!



Título: A rapariga que sabia ler
Autor: Frances Hardinge
P.V.P.: 12,50 €

Data 1.ª Edição: 14/07/2009

N.º de Edição: 1.ª

N.º de Páginas: 336
Colecção: Estrela do Mar

N.º na Colecção: 124

Sinopse: Depois de Mosca Mye «acidentalmente» pegar fogo ao moinho onde o tio a acolheu após a morte do pai, esta rapariga de doze anos não tem outra alternativa senão fugir da aldeia onde vive e ir em busca de outras oportunidades. Mas as coisas não vão correr exactamente como ela pensava. É que Mosca tem um dom bastante invulgar na sua comunidade, sabe ler, e esse facto mudará o seu rumo a caminho de Mandelion, onde uma série de circunstâncias a conduzirão ao centro de uma intriga política sem precedentes… Uma história mágica sobre o poder inspirador dos livros para construir um mundo melhor.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Lançamento de Jesusalém de Mia Couto um pouco por todo o país

Até 23 de Julho, Portugal vai receber o booktour de Mia Couto, em lançamentos do seu novo livro Jesusalém.
Aqui fica a agenda do booktour que começou hoje em Tavira e que já passou por Loulé:

Dia 13 - 21.30h - Portimão (Biblioteca Municipal)
Dia 14 - 18.00h - Silves (Biblioteca Municipal); 21.30h - Faro (Biblioteca Municipal)
Dia 15 - 18.00h - Coimbra (Oficina Municipal de Teatro-Rua Pedro Nunes- Quinta da Nora); 21.30h - Viseu (Assembleia Municipal)
Dia 16 - 11.00h - Coimbra (Venha Tomar um Café com Mia Couto - Atrium Solum); 18.00h - Vila Real (Museu da Vila Velha); 21.30h - Chaves (Hotel do Forte de São Francisco)
Dia 17 - 12.45h - Porto (Livraria Leitura – Bom Sucesso); 18.00h - Guimarães (Centro de Artes e Espectáculos S. Mamede); 21.30h - Braga (Livraria Centésima Página)
Dia 18 - 15.00h - Viana do Castelo (Biblioteca Municipal); 18.00h - Póvoa de Varzim (Diana Bar); 21.30h - Porto (Fundação da Juventude, Rua das Flores, 69)
Dia 20 - 18.00h - Sines (Centro de Artes); 21.30h - Grândola (Biblioteca Municipal)
Dia 21 - 18.00h - Tomar (Biblioteca Municipal); 21.30h - Abrantes (Biblioteca Municipal)
Dia 22 - 18.00h - Leiria (Livraria Arquivo – Av. Comb. Grande Guerra, 53)
Dia 23- 19.00h - Lisboa (Edifício Leya – Rua Cidade de Córdova, 2 Alfragide).



Entrevista com Mohammed Hanif autor do livro O Caso das Mangas Explosivas

O autor do livro O Caso das Mangas Explosivas, Mohammed Hanif, respondeu às questões dos fãs portugueses.
P - Não sabemos muito sobre o seu país. Pode falar-nos um pouco sobre a literatura paquistanesa? R - É muito diversa e antiga. Tem histórias e poesias que sobrevivem há mais de cinco mil anos. Na literatura moderna, temos autores a escrever em, pelo menos, sete línguas. Temos poetas que escrevem tão bem como Borges ou Neruda. O romance moderno só teve início aqui há mais ou menos cem anos, mas já temos algumas obras de arte. Mas o Paquistão é normalmente conhecido pela sua música popular.

P - Que autores paquistaneses recomendaria? R - A obra de Abdullah Hussain, Weary Generations (traduzido directamente do urdu), é um verdadeiro épico. Afzal Sayed é um grande poeta paquistanês e a sua obra estará traduzida em breve. Saadat Hassan Manto é, provavelmente, o melhor escritor de contos do mundo. Morreu há mais de meio século mas as suas histórias, disponíveis em tradução inglesa, são eternas.

P - Já escreveu argumentos. Considerando o grande sucesso do seu livro, pensa apresentar O Caso das Mangas Explosivas no grande ecrã? R - Acho que só alguém com muito dinheiro, capaz de financiar a explosão de aviões verdadeiros, poderia apostar numa coisa do género. Acho, sinceramente, que o livro não é passível de filmagem. Mas acho que daria um bom musical.

P - Reconhece-se na personagem do Ali Shigri? R - Quem me dera. A minha vida é um pouco aborrecida. Não sou muito bom com facas, espadas ou aviões. Ele é, então, o oposto de mim.

P - Quais são as suas expectativas quanto à recepção do livro em Portugal? R - Espero que algumas pessoas gostem de mangas.

P - Porque decidiu regressar ao Paquistão, apesar do bom emprego e da escola do seu filho em Londres? R - Porque sentia a falta de Karachi [uma das mais importantes cidades paquistanesas, situada próximo da costa com o mar Arábico, no oceano Índico]. Sentia falta do mar e sentia falta do ar. Já estou em Karachi há dez meses e nunca me arrependi de regressar. Nem o meu filho.