quarta-feira, 14 de outubro de 2009

O Mar em Casablanca - Francisco José Viegas [Opinião]

Título: O Mar em Casablanca
Autor: Francisco José Viegas
Nº Págs.: 240
P.V.P.: 15,50€
Sinopse
O Mar em Casablanca devolve-nos a personagem principal dos anteriores romances do
autor, o inspector Jaime Ramos, da Polícia Judiciária do Porto, numa história sobre vingança, sobre o tempo que regressa para se vingar e sobre os portugueses que viajam pelo mundo em segredo para se esconderem de si próprios.
O que une um cadáver encontrado nos bosques que rodeiam o belo Palace do Vidago e um homicídio no cenário deslumbrante do Douro? O que une ambos os crimes às recordações tumultuosas dos acontecimentos de Maio de 1977 em Angola? Jaime Ramos, o detective, regressa para uma nova investigação onde reencontra a sua própria biografia, as recordações do seu passado na guerra colonial – e um personagem que o persegue como uma sombra, um português repartido por todos os continentes e cuja identidade se mistura com o da memória portuguesa do último século. História de uma melancolia e de uma perdição, O Mar em Casablanca retoma o modelo das histórias policiais para nos inquietar com uma das personagens mais emblemáticas do romance português de hoje.

A minha opinião
-->
O Mar em Casablanca é um policial, mas não é um policial qualquer. Seguindo os passos do inspector Jaime Ramos, que já me habituei a seguir em romances como Morte no Estádio, Um Crime na Exposição, Crime em Ponta Delgada e Um Crime Capital. Confesso que conheci a escrita de Francisco José Viegas um pouco por acaso. Numa qualquer feira do livro de um hipermercado, vi um livro baratíssimo que me chamou a atenção: Um Crime na Exposição. Adquiri-o e gostei tanto que tive de continuar a ler a histórias do inspector Jaime Ramos e seus companheiros de ofício. Em O Mar em Casablanca deparamo-nos com dois assassinatos. O primeiro ocorre durante a festa de encerramento temporário do Palace Hotel do Vidago, quando um jornalista de economia aparece morto, junto a um lago. Mais tarde, ocorre o segundo homicídio numa quinta do Douro, do empresário angolano, Benigno Mendonça. Enquanto anda no encalço do assassino, vivemos, juntamente com Jaime Ramos, dos seus sonhos e as suas recordações do tempo da guerra colonial e do pós-25 de Abril, em que a revolução tomou conta das ex-colónias também. Apesar de os anos não perdoarem (Jaime Ramos teve um princípio de AVC), o inspector mostra-se forte, um autêntico polícia do norte, mas mostrando a sua fragilidade no seu íntimo. Fragilidade de corpo e alma. Um romance excelente de um autor de excelência.

Podem ainda visitar o blogue www.omaremcasablanca.blogs.sapo.pt, onde se encontra disponível o vídeo de apresentação do livro, imagens do início do século XX do Vidago Palace Hotel (cenário fundamental no romance), uma das receitas preferidas do inspector Jaime Ramos, o primeiro olhar de Francisco José Viegas sobre Casablanca, entrevistas com o autor e informação essencial acerca de O Mar em Casablanca.

3 comentários:

Carla Martins disse...

Adorei a sua resenha, está super completa!

AMB disse...

oi tens um selinho lá no meu canto jokas
AMB

Maria Manuel disse...

Obrigada Carla. É um excelente livro