sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Para os amantes de Sparks...

Nicholas Sparks passou pelo nosso país com o intuito de promover o seu último romance "Um homem com sorte". Além das sessões de autógrafos Sparks ainda teve tempo para dar algumas entrevistas, algumas das quais ao DN e à revista Sábado, que tive oportunidade de ler.

Sparks é um amante do exercício físico, sendo a primeira coisa que faz ao acordar. Acorda cedo e deita-se igualmente cedo, pelas 21.45. O que mais achei engraçado na reportagem que a revista Sábado fez sobre "24 horas com o autor" ao chegar a um centro comercial onde ia dar autógrafos, um rapaz deu-lhe um flyer onde dizia "Quer conhecer Nicholas Sparks?". Pelos visto há muita gente a conhecer os seus livros, mas muito pouca a saber como o próprio autor é fisicamente, do que gosta ou não.

No DN Sparks revelou que não votou nem em Obama nem em McCain, mas que muitas das histórias dos seus livros tira do sua vida pessoal. (podem sempre ver no site do dn a entrevista na íntegra).

Além disso, o autor norte-americano que vendeu mais de 1 milhão de livros no noso CD está ainda a promover o novo filme baseado no seu romance "O Sorriso das Estrelas" que conta com Richard Gere no papel principal. Não posso perder.

Segundo o jornal Correio da Manhã: «DOSSIER PESSOA-CROWLEY PARA DESCONHECIDO

O dossier que reúne a correspondência entre Fernando Pessoa e o ocultista britânico Aleister Crowley, um dos destaques do leilão de bens do poeta realizado ontem à noite (dia 13) no Centro Cultural de Belém, foi arrematado por 50 mil euros através de um telefonema.

Nenhum dos presentes na sala onde o leilão está a decorrer licitou esse dossier e, perante o anúncio do leiloeiro de que este fora arrematado, não faltou quem comentasse que ninguém daria tanto dinheiro pelos documentos.

Comprada por uma mulher com sotaque francês foi uma fotografia do poeta a passear no Chiado, arrematada por 13 500 euros quando a base de licitação era de apenas seis mil. Já um retrato de Fernando Pessoa em criança ficou por 500 euros.»

Ainda segundo o mesmo jornal a arca de Fernando Pessoa foi arrematada por um coleccionador privado que o quis oferecer ao pai, apaixonado e detentor de vários livros do poeta. «A arca onde o poeta português guardava os seus inéditos, um dos bens que Inês Pedrosa mais desejava para a Casa Fernando Pessoa, foi adquirida pelo valor base de licitação, que era de 50 mil euros. O coleccionador, porém, está disposto a abdicar dela, em favor do Estado. “Se o Estado quiser ficar com a arca, pois estará no seu direito, e tê-la-á”.

«Durante o leilão, onde vários lotes ficaram retidos na leiloeira por falta de licitação, enquanto outros foram arrematados pelo preço mínimo. Por telefone, um coleccionador francês arrematou a quase totalidade dos lotes mais disputados, e ficou com as fotografias originais de Fernando Pessoa, nomeadamente uma do poeta ainda criança e quando se passeava no Chiado – uma das imagens mais emblemáticas do artista.»

Se foi um coleccionador a ficar com as peças mais disputadas significa que o espólio pessoano acabou por não ficar no nosso país, o que é uma pena. Tantas vezes que se investe em coisas sem significado, e agora que o ideal era o Estado Português ficar com a maioria, senão a totalidade das peças, acabou por deixar ir o espólio daquele que é para mim o melhor português de sempre.

Livros de Saramago esgotados em Pequim

Os livros do Nobel português José Saramago estão esgotados naquela que é a maior livraria de Pequim. O mesmo se passa nas compras por internet.

Os livros como "Memorial do Convento" e "Ensaio sobre a Cegueira", traduzidos por um antigo jornalista da Rádio China Internacional, Fan Weixin, são os únicos romances publicados na China, o que mostra a aposta em Saramago devia ser cada vez maior. De facto, os autores portugueses ainda não são muito traduzidos na China, sendo Saramago, entre os contemporâneos talvez o mais conhecido.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Um livro a comprar brevemente

Como amante de policiais não quero deixar de comprar este livro escrito por vários autores portugueses. Dos nove escritores apenas conheço a escrita de Mário Cláudio, mas não em policiais e Francisco José Viegas dos quais já li vários dos policiais do autor desde "Crime em Ponta Delgada"; "Um crime na exposição" e "Um crime na capital". Neste momento ando a ler também "Algumas distracções" que está no carro para aqueles dias em que estou em filas intermináveis ou à espera de alguém. Os livros andam sempre espalhados por diversos pontos estratégicos, para nunca estar sozinha. Sinopse: «É um crime, caro leitor. Um crime! A vítima somos nós, leitores portugueses, e não há dados que nos apontem para um possível assassino. É praticamente um dado unânime que a literatura portuguesa é vítima de um crime de ausência: a do policial entre a nossa ficção. (...) Talvez a melhor solução seja mesmo um livro de contos policiais, com uma mira atirada à própria cultura de um país. Daí este livro que tem em mãos...» (Pedro Sena-Lino) Nove destemidos autores portugueses aceitaram o desafio de escrever um conto policial. O resultado desta perigosa experiência é um tiro certeiro: nove contos policiais de alto calibre! Muito cuidado com os textos de: Dulce Maria Cardoso, Francisco José Viegas, Gonçalo M. Tavares, Hélia Correia, Mafalda Ivo Cruz, Mário Cláudio, Rui Zink, Valter Hugo Mãe. E com a estreia de Ricardo Miguel Gomes. Coordenada por Pedro Sena-Lino, esta colectânea de Contos Policiais é a obra inesperada do ano, com incalculável valor literário. Perigo de vida, leia já!

Leilão de Pessoa decorre hoje. Espólio vale mais de 400 mil euros

O leilão, constituído por 70 lotes, contém diversos papéis e uma arca de Fernando Pessoa, e realiza-se hoje à noite no Centro Cultural de Belém. O Estado vai tentar arrebatar os documentos mais importantes que estão na posse dos herdeiros do poeta lisboeta.

O valor do espólio, que será leiloado pela P4 Photography, poderá exceder os 400 mil euros, sendo que a arca pertencente ao poeta d’ “A Mensagem” poderá atingir os 100 mil euros. Constam ainda poemas inéditos, algumas cartas (astrológicas e não só) e fotografias assim como o ‘Dossiê Pessoa-Crowley’, referente ao relacionamento, iniciado em Novembro de 1929, entre Pessoa e o ocultista britânico Aleister Crowley.

Do espólio consta ainda o “De Secretis Livri XVII”, de Wecker Johann Jacob, publicado em 1583. Outro livro é do grande amigo António Botto: "Ciúme - Canções" que contém rectificações do autor. A arca contém os dois primeiros números da revista Orpheu e três exemplares do Sudoeste Magazine, um da revista Contemporânea de 1922, esta última com base de licitação de 500 euros.

Do primeiro lote consta ainda uma carta endereçada a si própria, no dia do seu aniversário, 13 de Junho, contendo vários tipos de cruz, em que se pode ler: "Com a regularidade do costume, faço annos este anno no mesmo dia que no anno passado Admiradores que somos d'essa regularidade, que com certeza teria prémio num collegio, não queremos deixar de o felicitar por ella e lhe desejar que muitas vezes continue no mesmo systema".

A manutenção das peças em território nacional está, no entanto, garantida, até porque foi assinado o despacho de 14 Outubro que o classifica como Património Nacional, o que proíbe a sua exportação.
Casa Fernando Pessoa vai impugnar venda de contracapa de livro
No entanto, a Casa Fernando Pessoa já fez saber que vai impugnar a venda do lote 21 do espólio pessoano, referente à contracapa do livro “As doutrinas anarquistas”, de Paul Ezervacher, pertencente a Fernando Pessoa e que contém anotações em inglês a par de um texto iniciado pelo poeta.
De referir que a capa e o livro constam já do acervo pessoano actualmente em poder da Casa Fernando Pessoa.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Novos lançamentos da editora Saída de Emergência




A editora Saída de Emergência lançou mais um livro de uma escritora muito querida dos portugueses, Nora Roberts – “Luzes do Norte”. Este é uma romance sobre duas almas solitárias que encontram amor e redenção numa remota vila do Alasca.

Sinopse: A vila de Lunacy é a última chance para Nate Burke. Como polícia em Baltimore, assistiu à morte do colega na rua, e a culpa ainda o persegue. Sem mais nenhum lugar para onde ir, aceita a função de Chefe da Polícia nessa pequena e remota vila do Alasca. Quando começa a perguntar-se se a mudança não terá sido um grande erro,um beijo imprevisto e arrebatador na passagem do ano, levanta o seu espírito e convence-o a ficar mais tempo. Meg Galloway, nascida e criada em Lunacy, está habituada à solidão. Era apenas uma jovem quando o seu pai desapareceu e teve de aprender a ser independente, pilotando a sua pequena avioneta e vivendo nos arredores da vila na companhia dos seus huskies. Depois do beijo ao novo Chefe da Polícia, permite-se ceder à paixão. E, agora, as coisas em Lunacy começam a aquecer. Há alguns anos, numa das majestosas montanhas que sombreiam a vila, ocorreu um crime que nunca foi resolvido e Nate suspeita que o assassino continua em Lunacy. A sua investigação vai desenterrar segredos e suspeitas, bem como trazer ao de cima o instinto de sobrevivência que fez dele um dos melhores polícias em Baltimore. O que ele não podia saber é que a sua descoberta vai ameaçar a nova vida e o novo amor...

A par disso há a destacar ainda os livros “Aria” de Nassim Assefi; “Carbono Alterado” [Edição Especial] de Richard Morgan; “Branco” de Rosie Thomas; “O Falsificados de Da Vinci” de Thomas Swan e “A pensar em ti” de Jill Mansell.

Sinopse: Jill Mansell, a rainha da chick-lit, volta a surpreender-nos com uma história inteligente, sensual e divertida.

Quando a filha única de Ginny Holland sai de casa para ir para a universidade, Ginny fica desesperadamente sozinha. Com um divórcio amigável para trás, quer começar de novo e preencher as horas solitárias sem a filha. Infelizmente, o primeiro homem que Ginny pensa ter ficado atraído por ela, acusa-a de tentar roubar um pavão de cerâmica que ela se esquecera que tinha na mão ao sair da loja. Decidida a conhecer pessoas novas, aluga um dos quartos da sua casa, mas o que consegue é a companhia de Laurel, uma mulher que só fala do ex-namorado. Para piorar as coisas, quando Ginny arranja um emprego num restaurante, descobre que o novo patrão é o mesmo que a acusou de roubar na loja. Será que as coisas ainda podiam ficar pior? Claro que sim! É que a sua filha, ainda a aprender a viver sozinha, acaba de cometer uma grande asneira e perder a melhor amiga. E, mais uma vez, vai ter de ser a mãe a resolver tudo!

Mosteiro dos Jerónimos acolhe recital de poesia

A comemorar o 120.º aniversário de Fernando Pessoa o Mosteiro dos Jerónimos, desde o dia 27 de Outubro que tem vindo a receber, semanalmente, uma iniciativa poética de tributo ao poeta lisboeta.

O tributo trata de um recital que conjuga textos de Fernando Pessoa assim como os seus heterónimos mais conhecidos: Álvaro de Campos, Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Bernardo Soares. A par do recital os visitantes do Mosteiro dos Jerónimos farão uma visita guiada ao próprio monumento, ao som da poesia pessoana. A visita termina junto ao túmulo de Fernando Pessoa.

Esta iniciativa decorre todas as segundas-feiras às 11.00 e às 15.00 horas.

A par deste evento, foi lançada ainda uma produção pertencente ao Museu da Poesia intitulada “Minha Pátria é A Língua Portuguesa” que contém textos do poeta

Fernando Pessoa ditos por Nuno Miguel Henriques. Mais informações no site do Museu da Poesia: www.museudapoesia.com