sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Novidades Bertrand

Título: Porto de Abrigo
Autor:
Elizabeth Berg
Género: Romance
Tradutor: Fernanda Oliveira
N.º de páginas: 240
Data de publicação: 10 de agosto
PVP: 16,60 €

Uma comovente história de amor, relações familiares e segundas oportunidades. Um livro que nos desafia a encontrar uma nova profundidade nas diversas fases da vida, na família e em nós mesmos. Da autora de Quando Estiveres Triste, Sonha.
A escritora Helen, que enviuvou recentemente, perdeu a inspiração para escrever e começa a depender demasiado da filha de vinte e sete anos, Tessa, e a intrometer-se na vida dela, dando conselhos não solicitados e mal recebidos. Os problemas de Helen são agravados pela descoberta chocante de que o marido, tão afável e aparentemente fiel, levava, ao que tudo indica, uma vida dupla. O casal tinha poupado meticulosamente para uma reforma feliz, mas esse dinheiro desapareceu em vários levantamentos efetuados pelo marido de Helen antes de morrer. Para se sustentar e lograr alguma da sua tão necessária independência, Helen aceita um trabalho invulgar que acaba por lhe proporcionar muito mais do que esperava.
Depois, o telefonema de um desconhecido coloca-a no caminho de uma descoberta surpreendente, que faz com que mãe e filha reavaliem aquilo que pensavam saber uma da outra, de si próprias e daquilo que forma realmente um lar e uma família.
«Talvez Freud não soubesse a resposta para aquilo que as mulheres querem, mas Elizabeth Berg seguramente sabe», disse o USA Today, e esse dom especial da compreensão transparece neste novo e extraordinário romance.

Sobre a autora:
Elizabeth Berg foi enfermeira durante dez anos, e o intenso contacto humano inerente à profissão continua a inspirar a sua escrita. É autora de vinte títulos, entre os quais Segredo de Família; Quando Estiveres Trise, Sonha; O Ano dos Prazeres e Falar Antes de Dormir, e presença assídua nas listas de best-sellers do New York Times. Já viu um livro seu escolhido para o clube de livros da Oprah Winfrey, e conquistou o New England Booksellers Award 1997 pelo conjunto da sua obra. Elizabeth Berg está traduzida para várias línguas e é uma das escritoras norte-americanas mais admiradas pelas leitoras atuais.
 
Título: A Colónia do Diabo
Autor:
James Rollins
Género: Thriller
Tradutor: José Luís Luna
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 496
Data de publicação: 10 de agosto
PVP: 17,70 €
 
Do autor best-seller do New York Times, James Rollins, chega-nos um romance de imaginação sem limites e meticulosa pesquisa, um livro que ousa responder à pergunta que a América se faz: Pode a fundação dos Estados Unidos ter-se baseado numa mentira? A chocante verdade esconde-se nas ruínas de uma impossibilidade, uma colónia americana perdida que desapareceu no tempo e caiu no esquecimento. Um lugar conhecido apenas pelo nome de A COLÓNIA DO DIABO. Inserida na série Força Sigma, esta história combina descobertas científicas, segredos da História e um ritmo alucinante.
Nos confins das Montanhas Rochosas, a terrível descoberta de centenas de corpos mumificados desperta a atenção internacional e provoca uma acesa controvérsia. Apesar das dúvidas quanto à origem desses corpos, a comissão local da Herança Nativa Americana reivindica os restos mortais pré-históricos, assim como os estranhos artefactos encontrados na mesma gruta: placas de ouro gravadas com uma escrita desconhecida.
No decorrer de uma manifestação no local da escavação, uma antropóloga tem uma morte horrível e é reduzida a cinzas numa violenta explosão captada pelas câmaras de televisão. Todas as provas apontam para um grupo radical de nativos americanos, do qual faz parte uma jovem militante que consegue escapar com algumas dessas valiosas placas. Perseguida, ela pede ajuda à única pessoa que poderá ajudá-la: o seu tio, Painter Crowe, diretor da Força Sigma. Para ajudar a sobrinha e descobrir a verdade, Painter dá início a uma guerra entre as mais poderosas agências de espionagem do país. Surge contudo uma ameaça ainda maior quando uma assustadora reação em cadeia nas Montanhas Rochosas provoca uma catástrofe geológica que põe em perigo a metade ocidental dos EUA.
Painter Crowe une forças com o comandante Gray Pierce para desvendar os segredos de uma sombria cabala que manipula a história americana desde a fundação das treze colónias. Mas conseguirá Painter descobrir a verdade – e causar a queda de governos – antes que tudo o que lhe é caro seja destruído?

«Segredos terríveis, a marcha da história, um panorama épico, ação empolgante... Ninguém – repito, ninguém – faz isto melhor do que Rollins.» Lee Child
«James Rollins é mestre em ação e intriga internacional.» Richmond Times-Dispatch
«Rollins sabe combinar a ciência do mundo real com a ação explosiva, criando aventuras tão emocionantes e excitantes como no cinema.» Chicago Sun-Times
«Seguindo a grande tradição de Clive Cussler e David Morrell, Rollins mistura com grande à-vontade ciência e superstição.» Providence Journal
«Com A Colónia do Diabo, James Rollins escreve um dos melhores thrillers do ano, uma amálgama espantosa de história, ciência e aventura.» Associated Press
«Emocionante....Rollins fica melhor a cada livro que passa e a sua posição no topo deste género em particular permanece inabalável.» Publishers Weekly
«Uma aventura de cortar a respiração, cinco estrelas, que deixará os leitores numa vertigem entre as páginas. O único senão deste livro: ter de acabar.» Romantic Times

Sobre o autor:
James Rollins é autor de perto de quinze thrillers internacionais, todos eles best-sellers do New York Times, e os seus livros estão publicados em mais de quarenta países. A sua série Força Sigma, na qual se insere A Colónia do Diabo, foi considerada «no topo das boas leituras» (New York Times) e uma das «melhores leituras de verão» (revista People). Em cada romance são revelados mundos invisíveis, descobertas científicas e segredos históricos em que a ação tem um ritmo alucinante e a narrativa é inteiramente original.

Título: África, Paixão da Minha Vida
Autor:
Corinne Hofmann
Género: História de Vida
Tradutor: Xana Haulsen
Formato: 15 x 23,5 cm
N.º de páginas: 248
Data de publicação: 10 de agosto
PVP: 15,50 €
 
Em «Casei com Um Massai», Corinne Hofmann contou como foi deixar tudo para trás em troca de um amor em África. Depois de 4 anos de casamento com um Massai, e uma filha em comum, Corinne separou-se e voltou para a Suíça onde criou a sua filha Napirai. Agora neste «África, Paixão da Minha Vida» Corinne conta como foi o primeiro encontro entre pai e filha, passados mais de 20 anos, no regresso ao Quénia.
Muitas vezes questionei-me como seria Barsaloi e o que entretanto teria mudado. Acima de tudo pensava no meu pai. Como será que ele é hoje fisicamente? E será que mudou como pessoa? O que temos em comum? Perguntas como estas passam-me pela cabeça. (…) Agora sinto que chegou a hora de me pôr a caminho para conhecer as minhas raízes. É o momento certo, tanto na cabeça, como no coração.
Napirai, filha de Corinne e Lketinga
Depois de ter encontrado o seu grande amor no Quénia, de se ter tornado a «Massai Branca», de ser obrigada a partir e a instalar-se de novo na Suíça, para voltar mais tarde a Barsaloi como autora best-seller de Casei com um Massai, Corinne regressa a África e visita os mais pobres de entre os pobres em Nairobi. Neste livro, mostra a energia dessa gente, o seu inesgotável otimismo, a sua vontade de viver.
Sobretudo para Napirai, a filha de Corinne e Lketinga, esta viagem representa também um regresso às origens, porque ela visita a sua família africana pela primeira vez na vida.
A história de Corinne é um enorme sucesso a nível mundial e comoveu os seus cinco milhões de leitores nos mais 30 países onde está publicada.

Sobre a autora:
Corinne Hofmann é uma empresária suíça, filha de mãe francesa e pai alemão, que entre os 27 e os 31 anos viveu no Quénia com o seu marido massai. Aos 43 anos publicou o primeiro livro, Casei com Um Massai, que esteve mais de oito anos na lista dos mais vendidos da revista alemã Spiegel e foi traduzido para inúmeras línguas. Corinne publicou posteriormente mais dois títulos autobiográficos e, embora estando separada do marido, continua a apoiá-lo financeiramente como antes.
O seu primeiro livro Casei com Um Massai foi adaptado ao cinema em 2005

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Promessas Desfeitas - Penny Vincenzi [Opinião]

Título: Promessas Desfeitas
Autor: Penny Vincenzi
Tradutor: Isabel Alves
Págs.: 632
PVP: 17,70 €


Um novo romance da autora bestseller Penny Vincenzi chega às livrarias no dia 16 de julho pela Porto Editora: Promessas Desfeitas, uma história passada na Inglaterra tradicional dos anos 60 sobre um casal que luta pela custódia de uma criança.
Neste novo livro, Penny Vincenzi explora a condição das mulheres na turbulenta sociedade da época, onde se assiste a uma emancipação feminina que contrasta com bailes de debutantes e demais costumes conservadores.

Sobre o livro:
Esta é a história de dois jovens promissores: ela, Eliza, uma deslumbrante editora de moda, vinda de uma família rica e conservadora; ele, Matt, de origem humilde mas com ambição suficiente para se tornar num magnata do setor imobiliário.
Depressa se apaixonam, casam e têm uma filha. Mas este é um casamento condenado: a paixão inicial vai dar lugar a uma relação conflituosa que acabará num divórcio tumultuoso e numa batalha épica pela custódia da filha – Emmie, uma criança adorável e precoce, que acaba por se tornar numa vítima dos erros dos pais.
Penny Vincenzi, em Promessas Desfeitas, obriga-nos a refletir sobre o elemento mais frágil das famílias em rutura: os filhos, que raramente são ouvidos no auge do conflito.



A minha opinião:

Os livros de Penny Vincenzi vêm quase todos recheados de muitas personagens. Promessas desfeitas não foi excepção o que, neste caso, tornou a história um pouco complicada no início do livro. Até às 100 páginas confesso que andei um pouco “às aranhas” com tantas personagens e o facto de no início do livro constar o nome de todos os intervenientes e da sua relação entre si não é por engano.

Em finais dos anos 50 deparamo-nos com um grupo de jovens ambiciosos em busca por uma carreira de sucesso. No entanto, nem todos vêm com bons olhos as mulheres começarem a ter independência financeira e lugares de destaque nas empresas.

Em duas décadas as mentalidades de alguns continuam se mudar e isso vai afectar os relacionamentos que vão tendo ao longo da vida, como é o caso de Matt. Matt é um jovem que singrou sozinho, alcançando uma carreira de enorme sucesso, sem qualquer ajuda. Com parcas possibilidades, Matt estabelece-se por conta própria com o intuito de enriquecer.

Eliza é uma jovem ambiciosa que que deseja colocar o emprego acima do futuro familiar. Não deseja casar e ter filhos, até que conhece o homem que lhe arrebata o coração e muda completamente a sua forma de ver a vida... pelo menos até um certo ponto.

No meio de tantas personagens que vão tendo uma importância relevante para estes dois protagonistas a que mais gostei foi de Louise. Uma mulher batalhadora que consegue vencer num negócio marcadamente masculino. A sua maneira de negociar é absolutamente espantosa.

E depois há uma criança, que se vê envolvida no mau relacionamento dos pais e que sofre em silêncio...

No meio do boom imobiliário e das revistas de moda femininas, a autora não se esquece de enquadrar factos históricos no seu livro para dar uma ponta de realismo ao romance. O assassinato de JFK e a morte de Churchill são disso exemplos.

Apesar de não me ter cativado tanto como os seus anteriores romances, gostei do novo romance de Penny Vincenzi.


Excerto:

“O dinheiro, como compreendeu nesse momento de feroz clareza, não era apenas o meio pelo qual se adquiria o que se queria ou necessitava, o dinheiro era poder e a falta de circunstâncias domésticas mais benignas, era sinónimo de absolta e abominável impotência.” pag. 235

Civilização publica 'O Último Minuto' de Jeff Abbott